Nesta Edição
Outras Edições
 Painel de negócios
Simonfer
Tefé, 553 - Cachoeirinha - Manaus - AM
CEP: 69065-020
Fone: 3611-4981/3611-4747
Jailton José de Matos
Av. João César de Oliveira, 3490 - Eldorado - Contagem - MG
CEP: 32340-000
Fone: (31) 3352-0574
Newsletter
Nome:
E-mail:
 
Trabalhos Home - Trabalhos
 Compartilhar esta notícia:

Linguagem Simbólica das Jóias

Proposição para trabalho de análise sobre a 2° Instrução do Grau I Trabalho louvado no resultado da Tese aprovada em julho de 1992, pela Grande Loja Maçônica do Estado de São Paulo à XXI Assembléia Geral da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB) realizada em Salvador, Bahia e transformada em manual (Manual de Paramentos e Jóias – GLESP).

Uma jóia maçônica é, em seu caráter estrito, um pequeno adorno de metal destinado para uso dos iniciados, porém de valor figurado, onde se distingue o grau ou o cargo.

Na Grande Loja, as jóias dos cargos são presas aos colares, os bastões do Mestre de Cerimônias e dos Diáconos, são encimados com as jóias dos respectivos cargos.

As cores das jóias são as seguintes: metal branco para as Lojas e metal amarelo-ouro para as Grandes Lojas, os Altos Corpos e a Alta Administração. Na análise das jóias aprovadas e adotadas pela Ordem correspondem aos cargos administrativos da Oficina, visa-se apresentar o que elas traduzem para
os maçons.

AS JÓIAS DOS CARGOS EM LOJA

Venerável Mestre – Uma esquadria como emblema da equidade e regularidade rigorosas, suspenso no Colar; significa que um chefe deve ter, unicamente, um sentimento - o dos Estatutos da Ordem -, e que deve agir de uma única forma: com retidão. Não se admite qualquer outra jóia para o cargo.

1° Vigilante – Um nível simboliza a presteza e a igualdade social, base do Direito Natural. O NÍVEL sem PRUMO nada vale, do mesmo modo que este sem aquele em qualquer construção. Devido a isso, os dois se completam para mostrar que o Maçom tem o Culto da Igualdade, assim, nivelando todos os homens e cultuando a retidão. Não se deixará pender ou pela amizade ou pelo interesse, para qualquer dos lados.

2° Vigilante – Um prumo representando a vertical diretora do espírito nas coisas profundas. Significa que o Maçom deve ser reto no julgamento, sem se deixar dominar pelo interesse e afeição.

Orador – Um livro aberto ou um sol significando o esclarecimento da lógica pura. Na Loja ele é o representante do Ministério Público Maçônico, cabendo-lhe defender e aplicar a Legislação Maçônica em todas as oportunidades, sendo denominado “Guarda da Lei”.

Secretário – Duas penas cruzadas (essas penas são imitações de penas de aves usadas para escrita na antiguidade) como emblema do ardor e zelo pela fidelidade, uma das cinco Dignidades da Loja. Tem a seu cargo a redação das atas e correspondências da Oficina. Pede diretamente a palavra ao Venerável que lhe pode conceder com a preferência sobre outro. É um dos cargos que mais requer atividade.

Tesoureiro – Uma chave que simboliza ter o controle do cofre da Loja, sendo assim, símbolo de segurança e confiança tácitas. Tem a seu cargo a cobrança e a guarda dos fundos da Loja, efetuando ou verificando os pagamentos. O Tesoureiro deve cumprir fielmente os deveres indicados nos Regulamentos Gerais da Potência que sua Loja pertence e no Regulamento Interno da Oficina.

Expertos – Um punhal representando a prudência e a vigilância. O segundo experto pode usar também uma clepsidra (relógio antigo d’água), indicando a preciosidade do tempo. A clepsidra, posteriormente transformada na ampulheta, classifica o irmão que encaminha os postulantes para a Câmara de Reflexão, como instrumento marcador do tempo ela limita o prazo que é dado ao profano para responder o questionário filosófico. Colocada sobre o Altar do Venerável, deixa transparecer a ideia da necessidade de pronta ação no desempenho de todas as missões confiadas pela Ordem ou pela Loja.

Diáconos – Uma pombinha com as asas abertas, inscrita em um triângulo. Destinada ao Primeiro Diácono e livre (sem o triângulo); destinada ao 2° Diácono emitindo a ideia da comunicação como base para os bons entendimentos. As pombinhas dão um encanto às jóias dos Diáconos, indicam a natureza litúrgica da função desses oficiais da Loja. Na antiguidade, os pombos eram usados como mensageiros para longa distância dada à inexistência de outros meios de comunicação.
A alfaia do cargo, além de estar pendente da faixa, deverá estar presente, também, no topo dos bastões dos Diáconos. Na abertura e no encerramento dos trabalhos em Loja, os Diáconos têm a função de receber e transmitir a Palavra Sagrada. No REAA, cabe ao 1° Diácono transmitir as ordens do Venerável Mestre ao 1° Vigilante e a todas as Dignidades e Oficiais, de modo que os trabalhos se executem com ordem e perfeição; já, ao 2° Diácono cabe, também, ser o executor e transmissor das ordens do 1° Vigilante e velar para que todos os Irmãos se conservem nas Colunas com o devido respeito, disciplina e ordem.

Hospitaleiro - Uma bolsa fechada simbolizando a benesse da caridade, esta última é mão que se abre para a esmola, que arranca da miséria, é a mão que protege
e se desfaz numa constelação de benefícios, mas segundo a preceituação maçônica, deve ser sempre oculta para não exaltar a quem dá nem humilhar a quem recebe, para tanto, a bolsa do Hospitaleiro apresenta-se sempre fechada para os olhares perscrutadores.

Chanceler (ou Guarda dos selos da Oficina) – Um sinete cilíndrico. Sinete é um utensílio que serve para gravar em lacre, papel etc. Com ele o Chanceler grava o timbre da Oficina nas documentações, sintetizando garantia e autenticidade. Tem a seu cargo a guarda dos selos e timbres e os põe nos documentos principais, registrando-os em livro especial por ordem cronológica em índice de assunto. A ordem, exatidão, zelo, critério e assiduidade aos trabalhos são requisitos indispensáveis para chegar-se a este honroso cargo confiado ao Mestre mais antigo ou ao decano em idade.

Mestre de Cerimônias – Uma régua demonstrando o gênio do conhecimento perfeito e completo do formalismo. Além de estar pendente da faixa, deve estar no topo do seu bastão. No REAA, é o Oficial que tem a prerrogativa, sem necessariamente ser determinado ou ordenado de se locomover livremente no interior do Templo durante os trabalhos em Loja. Por este motivo, fica sob sua responsabilidade tudo o que está previsto no Ritual do REAA em vigor na GLESP.

Mestre de Banquetes – Uma cornucópia com dois bastões cruzados significando a moderação diante da fartura. A cornucópia, na sua forma de chavelho cheio de frutos e flores, nos tempos de antanho, era o símbolo mitológico da abundância e elemento da felicidade. A Maçonaria apanhou-a como símbolo da fatura adquirida pelo trabalho honesto, indicando aos Mestres de Banquetes os irmãos que dirigem a mesa para supri-los convenientemente.

Porta-Estandarte – Um estandarte de metal, insígnia que engrandece, enobrece e honra a Loja. Os Estandartes aparecem desde os primeiros tempos da Maçonaria especulativa como uma continuação da tradição das antigas confrarias e corporações profissionais medievais, que tinham por seu estandarte a maior veneração e respeito.

Porta-Espada – Uma espada militar, seu emblema refere-se à força e o direito conjugados, símbolo do poder em todas as solenidades e cerimônias da Ordem. Com um simbolismo vastíssimo, a espada é um dos acessórios mais usados nas cerimônias maçônicas. No seu aspecto mais vulgar, é a arma da vigilância por meio do qual o iniciado procura defender os nossos augustos mistérios de toda intromissão violenta do mundo profano.

Porta-Bandeira – Uma bandeira em metal. A Bandeira é a ultima a entrar no templo como a mais alta autoridade presente. É conduzida pelo Porta Bandeira verticalmente. Ao entrar, a Bandeira ficará entre CCol.·., enquanto é feita a execução do Hino Nacional.

Cobridor Externo - Um alfanje caracterizando a constância e o cuidado, reforçando o conceito de segurança, que, no caso, tem que ser a mais rígida e mais abrangente. O alfanje do Cobridor simboliza a pronta vigilância posta ao serviço de defesa do Templo.

Arquiteto – Um maço e um cinzel alegoria da arte estrutural. A trolha de pedreiro como jóia do Arquiteto distingue o obreiro encarregado da conservação do edifício, da decoração do Templo propriamente dito, da limpeza dos móveis, das alfaias e demais utensílios da Loja. Não tem interpretação esotérica, mas simboliza, contudo, a tolerância e a indulgência que os iniciados devem abraçar para enobrecerem seus sentimentos.

Mestre de Harmonia - Uma lira, símbolo dos sentimentos apurados, símbolo da música. A arte de Orfeu leva efetivamente aos maçons a convicção tranquila de que a contemplação, o arrebatamento e a emoção causados pelos acordes musicais, provocam as melhores disposições de espírito, prodigalizando aos iniciados os mais puros pensamentos de fraternidade e de elevação da alma.

Guarda do Templo - Duas espadas cruzadas mostram que o titular do cargo zela pela segurança interna dos trabalhos; sua alegoria mostra a inviolabilidade e o respeito, já que a ele compete velar para que o Templo fique coberto a olhares profanos.

Bibliotecário – Uma pena sobre um livro aberto relativo ao oficial que superintende e é responsável pelos livros e documentos, organizados, ordenados e guardados em estantes para estudo, leitura e fontes de consulta para trabalhos dos Obreiros da Loja.

   

 Veja mais nesta edição
 Teoria do Conhecimento Maçônico

 Veja mais Trabalhos em outras edições
 Edição 9 - 04/2008
 Edição 8 - 12/2007
 Edição 7 - 10/2007
 Edição 6 - 06/2007
 Edição 5 - 03/2007
 Edição 4 - 12/2006
 Edição 11 - 11/2008
 Edição 10 - 07/2008
  Voltar
  Comente   Comentários
 
 
 

Busca no site
Trabalhos
As descobertas intuídas pelo método maçônico de aprendizagem são diferentes para...
saiba mais
Tecnologia
Av. Ayrton Senna, 500 – sala 2 – Tude Bastos - CEP: 11726-000 - Praia Grande/SP F: (13) 3474-2104